Ações do documento

Termina planejamento estratégico do Cisl

Governo, sociedade e academia definem novas ações para o software livre

Terminou nesta quinta-feira, 11, o IV Planejamento Estratégico de Ações do Comitê Técnico de Implementação de Software Livre do Governo Federal (Cisl). O encontro trouxe mais de cem representantes da sociedade civil, governo e academia para debater os rumos do software livre no Brasil. A discussão foi reunida em três grandes áreas de atuação: adoção do software livre, compartilhamento e colaboração, e sociedade e instituições de ensino. Um primeiro esboço do planejamento já pode ser acessado aqui.

Participação
Para o professor da Universidade Federal do ABC Sérgio Amadeu, a quarta edição do planejamento foi uma retomada consciente e consistente da luta pelo software livre no país. "E as soluções abertas trazem uma possibilidade participativa que deveria estar presente em todas as políticas públicas”, acrescentou o acadêmico, durante o encerramento do evento. Amadeu questionou, ainda, o sistema de patentes adotado no Brasil que, em sua opinião, “restringe e bloqueia a pesquisa em áreas diversas como software e biotecnologia”.

Já Nazaré Bretas, secretária-adjunta da Secretaria de Logística e Tecnologia da Informação do Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão, fez uma retrospectiva do processo de adoção do software livre pelo governo brasileiro. “Dez anos após o primeiro plano, temos muito o que celebrar, mas permanecemos positivamente insatisfeitos”. A secretária também informou que o governo federal criou cargos de analista de TI, com formação em software livre. Esses servidores devem atuar como gestores em órgãos diversos da administração federal. A previsão é de que, até 2014, cerca de 800 desses profissionais estejam em atividade.

Cultura e comportamento
O coordenador do Cisl e diretor-presidente do Serpro, Marcos Mazoni, destacou os resultados do trabalho colaborativo propiciado pelo encontro: “O planejamento está dado, agora falta organizarmos a execução”. Mazoni anunciou que um dos objetivos do comitê será a participação mais intensa em comunidades externas. “Afinal, as comunidades livres são uma meritocracia. Nossa lógica tem de ser a de contribuir, o que gera respaldo e apoio por parte da sociedade”, considerou. Para o coordenador, o debate tecnológico quanto ao uso das soluções livres já estaria resolvido. O desafio, agora, seriam questões culturais e de comportamento.

O secretário-adjunto do Cisl, Deivi Kuhn, destacou que o trabalho do comitê contribui para a criação de políticas públicas por parte do Estado. “Não é só mudar a tecnologia, mas fazer algo para transformar a sociedade”, avalia. Para Kuhn, o planejamento marcou o refortalecimento das ações de promoção do software livre, em especial no setor público. "O evento fortalece o trabalho colaborativo e quebra os compartimentos estanques entre os diversos órgãos de governo”, concluiu.

ipv6
 
SoftwarePublico
 
Serpro
 
Portal Brasil
 
 

Impulsionado pelo Plone

Este site está em conformidade com os seguintes padrões: