Ações do documento

Ministério das Cidades passa à segunda etapa de migração


Após consolidar os primeiros passos da migração para software livre, o Ministério das Cidades já ultrapassou o percentual de 50% das estações de trabalho migradas e operando com GNU/Linux. Do parque de 300 microcomputadores, 160 já rodam o sistema operacional livre. Ocorre processo de aquisição de mais 70 equipamentos, que já virão de fábrica com o pingüim, em versão Debian e com as customizações do Ministério.

Na área dos servidores de rede, o percentual de migração é maior. Continuam operando em software proprietário apenas três equipamentos, que dão suporte a aplicações legadas que ainda não puderam ser migradas. Nos outros seis servidores também opera o sistema Debian, com diversos serviços e aplicativos que dão suporte completo à atividade do Ministério.

Um dos serviços que se destaca é o correio eletrônico, que opera com o software Exim e filtros de SPAM e anti-vírus, provendo maior conforto aos usuários. Há também o sistema de gerência de conteúdos Mambo, que implementa a intranet. Cabe lembrar que o sítio internet do Ministério foi um dos primeiros a ser migrado para software livre na Esplanada.

Segundo o Coordenador-Geral de Modernização e Informática do Ministério das Cidades, Diego Viégas, a interação com outros órgãos é vital para o sucesso da estratégia do software livre. "Estamos atuando junto com o Ministério do Planejamento, através da SLTI, no desenvolvimento do CACIC, um serviço de inventário para nossa rede de computadores, além de parcerias com o SERPRO, Ministério do Desenvolvimento Agrário, Meio Ambiente, Esporte, Saúde, entre outros", disse Diego.

Já o Gerente de Inovações Tecnológicas do Ministério do Planejamento, Corinto Meffe, informou que o Ministério das Cidades tem sido um importante aliado. Segundo Meffe, "eles nos auxiliam em diversas frentes, como na coordenação de atividades do CACIC, no fornecimento de listas de discussão para os projetos, além de servirem como parâmetro e experiência para a migração de outras instituições".

O avanço alcançado, entretanto, não seria possível sem colaboradores de alta capacidade técnica. A equipe de informática do Ministério é composta por 20 funcionários. Todos auxiliam na migração e implementação de novos serviços, de forma que o conhecimento fica internalizado na instituição e depois pode ser compartilhado. "É de suma importância capacitar e valorizar as pessoas envolvidas.", concluiu Diego Viégas.
ipv6
 
SoftwarePublico
 
Serpro
 
 
 

Impulsionado pelo Plone

Este site está em conformidade com os seguintes padrões: